27.3 C
Rio Branco
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024
O RIO BRANCO
Artigos do NarcisoColunistas

Despertem

Publicado em 08/02/2024 10:02

          O que tem a ver as eleições municipais deste ano com as eleições que haverão em 2026? 

       Fernando Collor de Melo, em 1989 e Jair Bolsonaro, em 2018, elegeram-se presidente da nossa República, filiados a dois partidos políticos que apenas cederam as suas legendas para brigar as suas correspondentes candidaturas. Reporto-me ao PRN e ao PSL, cujos corpos encontram-se enterrados no mesmíssimo cemitério para onde já foram levados os partidos que morreram por falência múltipla dos seus órgãos.

          Na disputa de 1989, a primeira eleição direta para presidência da nossa República, após o fim de um  regime militar, a candidatura Fernando Collor impediu que políticos com a envergadura de Ulisses Guimarães, Mário Covas e Leonel Brizola, também candidatos, sequer conseguisse chegar ao 2º turno. A referida disputa deu-se entre o próprio Fernando Collor e o hoje presidente Lula.

         Na disputa eleitoral de 2018 e já tendo integrado oito partidos políticos distintos, Jair Bolsonaro filia-se ao PSL, quando faltava apenas seis meses para as eleições, mesmo assim, sagrou-se eleito.

        Em síntese: Fernando Collor e Jair Bolsonaro, para além da inexpressividade dos seus “partidecos” não dispunham do apoio dos nossos prefeitos, dos nossos governadores, e menos ainda, da maioria dos integrantes das nossas Casas Legislativas. Daí a pergunta que se impõe: no que e em quanto às eleições municipais deste ano influenciarão nas eleições presidenciais de 2026?

         Se das eleições de 1989 e 2018, para cá, os nossos partidos políticos continuaram se enfraquecendo, e ainda acrescente-se, em decorrência, da nossa anárquica legislação político/partidária/eleitoral, muitas novidades, ainda que indesejáveis, poderão acontecer, afinal de contas, da polarização Lula/Bolsonaro boas coisas jamais acontecerão.

        No seu devido tempo o inesquecível Bertold Brecht chegou a dizer: “infeliz é a nação que precisa de heróis”. Infelizmente, no nosso país, aqueles que surgem pretendendo virar heróis, não têm do que reclamar, até porque e neste particular, as eleições de Fernando Collor e Jair Bolsonaro estão aí como exemplos.

       Nesta mesma linha de raciocínio, pergunto: dada a sua mais recente conquista eleitoral, desde a proclamação da nossa República, o único a nos presidir por três mandatos já seria o bastante para o presidente Lula se sentir como um herói?

         Particularmente, não desejo a morte de ninguém, menos ainda do presidente Lula, porém devo esclarecer: todos os meus heróis já morreram, posto que, em vida, já assisti diversos pretensos heróis serem transformados em verdadeiros vilões.

Artigos Relacionados

Chega de guerras

Jamile Romano

Tempos de discórdias

Narciso Mendes

A capital gaúcha viveu cenas de filmeapós tempestade com ventos de mais de 120 km/h

Leandro Mazzine

Um referencial

Jamile Romano

É carnaval!!!!

Rubedna Braga

Basta de tanto ódio

Jamile Romano