27.3 C
Rio Branco
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024
O RIO BRANCO
Policial

Caso Géssica: Justiça nega liberdade para PMs investigados por matar enfermeira durante perseguição no AC

Publicado em 04/01/2024 05:01

Os sargentos da Polícia Militar (PM-AC) Gleyson Costa de Souza e Cleonizio Marques Vilas Boas tiveram um pedido de soltura negado pela Justiça do Acre. Eles estão presos desde o último dia 2 de dezembro pela morte da enfermeira Géssica Melo de Oliveira, de 32 anos, morta a tiros durante uma perseguição policial na BR-317, interior do estado.

enfermeira teve um pulmão e o estômago atingidos por dois tiros disparados pelo Grupo Especial de Fronteira (Gefron), equipe que os dois militares compõem.

O advogado dos policiais, Matheus Moura, explicou que a desembargadora Denise Bomfim negou apenas a liminar do habeas corpus e agora aguarda o julgamento do mérito. “O mérito do habeas corpus será julgado logo quando o Judiciário retornar. Vamos aguardar”, resumiu.

Os policiais seguem presos no Batalhão Ambiental, em Rio Branco.

O que diz a polícia

A coordenação do Gefron informou que um policial da equipe viu a motorista com uma arma nas mãos e atirou em direção ao carro na tentativa de pará-lo. Após os disparos, no quilômetro 102, nas proximidades da entrada do Ramal da Alcoolbrás, a enfermeira perdeu o controle do veículo, entrou em uma área de mata e bateu o carro em uma cerca.

Em nota, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Acre (Sejusp) disse que foram efetuados cinco disparos em direção ao veículo. Contudo, a família afirma que havia mais de dez perfurações no veículo. O carro foi retirado do local em cima de guincho e, conforme a família, levado para a PRF-AC.

Géssica tinha depressão e, possivelmente, teve um surto no sábado e saiu dirigindo em direção ao interior do estado. Após a morte, a polícia diz que achou uma pistola 9 milímetros jogada próximo ao local onde o carro parou. A arma é de uso restrito das forças armadas.

A família contesta a versão apresentada e diz que a enfermeira não tinha arma de fogo. Dois militares, que estavam na ação foram presos em flagrante e, no dia 4 de dezembro, a Justiça decretou a prisão preventiva dos policiais durante audiência de custódia. O Ministério Público Estadual (MP-AC) pediu a conversão da prisão em flagrante em preventiva.

MP-AC também instaurou, de ofício, um procedimento investigatório criminal para apurar possível crime de homicídio doloso que teria sido praticado pelos militares. A investigação ocorre independentemente da apuração anunciada pela Corregedoria da Polícia Militar do Acre e pela Polícia Civil.

Policial investigado

Um dos militares envolvidos na morte da enfermeira, o sargento Cleonizio Vilas Boas, foi denunciado por homicídio contra o adolescente Álvaro Praxedes Santana, ocorrido no dia 1º de outubro de 2020, em Brasileia, interior do Acre. No entanto, por falta de provas suficientes, a Justiça arquivou o processo.

Na época, além do adolescente, um outro rapaz morreu em um confronto com Grupo Especial de Fronteira do Acre (Gefron), no município de Brasileia. Outros dois ficaram feridos. A polícia informou naquele ano que o grupo atuava com pichações e na tomada de território, fazia ameaças e disparos de arma de fogo.

[G1]

Artigos Relacionados

Traficante é preso com variedade de entorpecentes, no interior do Acre

Jamile Romano

Em Tarauacá Polícia Civil recupera arma de fogo roubada de segurança

Jamile Romano

Polícia Civil do Acre e de Goiás efetuam prisão de homicida e assaltante em operação conjunta

Jamile Romano

Homem é preso pela polícia civil acusado de estuprar a própria filha de 13 anos no interior do Acre

Marcio Nunes

Bebê de 1 ano é baleada no colo do pai durante ação de criminosos no Acre

Jamile Romano

Pai e filha são condenados por tráfico de drogas em Xapuri

Redacao