27.3 C
Rio Branco
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024
O RIO BRANCO
Artigos do NarcisoColunistas

Busquei e não encontrei

Publicado em 20/12/2023 01:12

O que tem a ver regime político com religiosidade?

Dirijo-me aos cristãos, sobretudo àqueles que buscam confundir regime político com suas vocações religiosas fazendo-lhes a seguinte pergunta: em que versículo da nossa bíblia o regime comunista é citado, seja para exaltá-lo ou para condená-lo? Espero que os católicos apostólicos romanos e àqueles que pertencem as nossas diversas tendências religiosas me esclareçam. Do contrário, continuarei na minha angustiante dúvida.

Tenho por certo uma coisa: a mistura entre convicções políticas e religiosas são sempre explosivas. Como nasci numa família tradicionalmente cristã achei por bem segui-la, embora dedicando o maior respeito àqueles cujas religiosidades diferissem da minha.

Ninguém mais que o presidente recém eleito da Argentina, Javier Miei, se revelou contrário ao regime comunista quanto ele, e com freqüência dirigia suas fúrias a China e o Poquito Más, ao nosso país. Presentemente não mais, afinal de contas, os dois países acima citados, são exatamente os dois que a Argentina mais carece para sair da gravíssima crise em que se encontra. Ainda bem que o dito cujo, Javier Milei, caiu na real e já começou a flertar com ambos.

Pior, mil vezes pior para nós, brasileiros, é a polarização política em que nos encontramos, diga-se de passagem, uma polarização que despreza os partidos políticos, as instituições politicamente desejáveis e necessárias e exalta o lulismo e bolsonarismo, numa equivocada homenagem a ao atual presidente Lula e ao ex-presidente, Jair Bolsonaro. Repito: meus heróis já morreram e se encontram no céu.

Infelizmente, no nosso país, todo dia é dia de eleição, posto que, os nossos anos ímpares são dedicados as pré-campanhas, e os pares, para escolhermos verdadeiramente àqueles que irão nos governar. Lamentavelmente, em tais processos, o ódio tem estado presente.

A propósito e neste particular ninguém poderá me contestar, as nossas eleições só têm nos propiciado os maiores genocídios de reputações, sobretudo, após o advento da internet e da preocupante,  IA-Inteligência Artificial.

Tudo contra a censura, mas com os extraordinários avanços tecnológicos propiciando que as fake News pareçam verdadeiras e sejam ampla e rapidamente divulgadas, nos chumbos trocados, só irão restar cegos os banguelas.

A liberdade de expressão não pode permitir que as agressões, quanto mais manipuladas forem, sejam determinantes para que escolhamos os nossos representantes políticos, e neste particular, a mistura entre política e religião já se revelou o pior dos venenos.

Artigos Relacionados

Comemoração em dose dupla

Rubedna Braga

O Palácio quer trabalhar em 2025 com um presidente da Câmara confiável e sem cabresto com os atuais líderes

Leandro Mazzine

O PL já decidiu que seu maior nome em 2026 será Michelle Bolsonaro

Leandro Mazzine

Planejamento estratégico do governo vai fortalecer indústria, comércio, ciência e tecnologia

Jamile Romano

A centro-direita perdeu um dos mais atuantes deputados federais

Jamile Romano

Marcio Nunes