27.3 C
Rio Branco
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024
O RIO BRANCO
Artigos do NarcisoColunistas

Basta de tanto ódio

Publicado em 07/02/2024 09:02

 O ódio tem sido a característica dos nossos radicais, de um lado os lulistas e de outro, os bolsonaristas.

     Quais extremistas que mais contribuíram para que houvéssemos chegado à odiosa polarização política que nos enfrentamos? Pretendendo ser imparcial, recuso-me a sugerir, apenas confirmo: só não podemos excluir os lulistas e os bolsonaristas.

    Só posso dizer, a meu juízo, que o bolsonarismo se alimenta do anti-lulismo e o lulismo do anti-bolsonarismo. O resultado das eleições de 2022 e suas trágicas conseqüências só me fez crer que a referida polarização foi e continua sendo bastante prejudicial ao nosso país.

     Ajudados pelos seus respectivos internautas e, sobretudo, pelos seus serviçais e obedientes blogueiros, estes escolhidos a dedo, a maioria deles, sempre a serviço de um dos pólos, se encarrega de divulgar as mais absurdas desinformações, conquanto as mesmas tenham o potencial de desacreditar, de desmoralizar, ou até mesmo de assassinar as reputações das suas pretendidas vítimas.

    Esta polarização já atingiu os mais altos graus de radicalização, e caso não seja contida, nenhum dos nossos gravíssim os problemas encontrará solução, apenas se agravarão, isto porque, a inesperada sobrevivência política do ex-presidente Jair Bolsonaro, após sua derrota nas eleições de 2022, quando buscava a sua reeleição, e mais ainda, após ter se tornado inelegível é algo a ser pensado e avaliado.

   Embora sabendo que não vou concordar com o que determinados sites vêm e continuam divulgando, tampouco com os internautas que intransigentemente defendem um dos referidos pólos, por vezes, busco tomar conhecimento de suas meias verdades e, invariavelmente, tenho chegado à mesma conclusão: chega de tanto ódio.

    O que já está acontecendo com as eleições municipais deste ano só tem me levado a crer que não apenas as paixões, bem como os ódios,  também cegam. Quem disse ao ex-presidente Jair Bolsonaro e ao presidente Lula que as eleições de 2026 dependerão dos resultados das próximas eleições municipais.

    Fernando Collor de Melo e o próprio Jair Bolsonaro chegaram a presidência da nossa República sem contar com os apoio dos prefeitos, e dos governadores. E por que isto foi passível? Por que no nosso país, ajudados por uma legislação político-partidária, superlativamente anárquica, os nossos partidos políticos foram transformados apenas em siglas, para oferecer caronas aos muitos dos nossos candidatos.

    O presidente a ser eleito em 2026 não dependerá apenas daqueles que estiverem à frente das prefeituras de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte, do Recife e de nenhum outro município. Veremos!

Artigos Relacionados

Saneacre cria tarifa social para beneficiar mais de 120 mil famílias de baixa renda

Jamile Romano

Comemoração em dose dupla

Rubedna Braga

Que sejam felizes

Narciso Mendes

O Palácio quer trabalhar em 2025 com um presidente da Câmara confiável e sem cabresto com os atuais líderes

Leandro Mazzine

O modelo de gestão que fortaleceu o agronegócio e colocou o Acre no caminho do desenvolvimento

Antonio Muniz

O Partido Liberal do Rio Grande do Sul realiza amanhã a filiação de dois centenários fãs de Jair Bolsonaro

Jamile Romano