27.3 C
Rio Branco
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024
O RIO BRANCO
Acre

MPF pede à PF abertura de inquérito policial para apurar suposto caso de homofobia contra promotor do Acre

Publicado em 30/01/2024 12:01

O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou à Polícia Federal (PF) no Acre ofício pedindo a abertura de inquérito com o objetivo de apurar possível prática de homofobia nas redes sociais contra o promotor de Justiça do Ministério Público do Estado (MPAC), Tales Tranin. Ele foi alvo de comentário depreciativo, que afeta toda a comunidade LGBTQIA+, postado por um internauta em perfil de notícias locais no Instagram.

Segundo o procurador Regional dos Direitos do Cidadão no Acre, Lucas Costa Almeida Dias, responsável pela apuração, “a postagem demonstra como a internet tem servido de palco para o ódio à população LGBTQIA+ e escancara a realidade discriminatória alimentada pela ideia de que é um território sem lei”. A prática representa uma violência contra essa coletividade, provocando danos à saúde mental das vítimas, conforme destaca o MPF no ofício.

Por evolver suposto crime praticado nas redes sociais, com potencial de repercussão nacional e internacional, a investigação e o julgamento devem ocorrer na esfera federal. No ofício à PF, Lucas Dias lembra que o Supremo Tribunal Federal (STF) já definiu que, enquanto não houver legislação específica sobre o tema, o crime de homofobia deve ser equiparado ao de racismo, previsto na Lei 7.716/1989. A norma prevê aumento de pena quando o crime for praticado nas redes sociais ou em outros meios de comunicação.

Além disso, a própria Suprema Corte já definiu que a liberdade de expressão não garante às pessoas o direito de proferir discursos de ódio caracterizadores de ilícitos criminais. “Discursos que veiculam o racismo, ainda que de forma indireta, não estão abrangidos pela cláusula da liberdade de expressão”, sustenta o MPF no documento.

No pedido enviado à PF, o procurador destaca que esse tipo de postagem contribui para reforçar o discurso de ódio e os estigmas que circulam na sociedade sobre os homossexuais. Isso gera sérios impactos na vida da população LGBTQIA+, que vivencia altas taxas de suicídio, disfunções familiares, discriminação e dificuldade de acesso a serviços básicos.

Lucas Dias lembra, ainda, que o Brasil é o país onde mais ocorreram relatos de violência contra a população LGBTQIA+, conforme Relatório “Violência contra Pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersex nas Américas” da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

 

[Assessoria]

Artigos Relacionados

Balanço da Polícia Civil mostra resultados significativos no combate ao crime organizado

Marcio Nunes

Orla do Quinze recebe insumos para serviços de estabilização da encosta

Marcio Nunes

Polícia prende líder de organização criminosa acusado de roubo de R$ 100 mil em joias no interior do Acre

Jamile Romano

Programa Bolsa Moradia Transitória investiu mais de 300 mil em 2023 com aluguel social

Jamile Romano

Justiça do Acre garante oportunidade de emprego para vítimas de violência doméstica e mulheres egressas do cárcere

Jamile Romano

Comunidade do João Eduardo I recebe atendimento itinerante da Defensoria

Marcio Nunes