Imigrantes denunciam que taxistas estão cobrando $100 dólares para levar até Rio Branco

O vereador da cidade de Epitaciolândia, Carlos Portela, registrou neste final de semana, a chegada de mais imigrantes de várias nacionalidades, sendo que a maioria é de senegaleses. Este final de semana chegaram bastante, na segunda-feira, dia 17, tinha mais de 120 pela praça enfrente da delegacia da Polícia Federal, esperando abrir para serem atendidos.

Já no dia seguinte, terça-feira (18), no período da tarde e noite, ainda tinha cerca 100, as fotos foram tiradas no início da noite. “Obtive a informação que ontem tinha bastante senegaleses e que dois taxis levaram 11 de forma clandestina e o preço seria de $100 dólares americanos por cada. Hoje pela manhã, tinha mais de 20 senegaleses, a grande maioria que são haitianos e hoje durante o dia, vi duas turmas pequenas saírem a pé com destino a Rio Branco”, comentou.

Pouco depois, disse que por volta das 18h00, encontrou uma turma de senegaleses, uns 14, entrando na cidade de Epitaciolândia a pé, “achei estranho, pois os mesmos estavam vindo no sentido de Rio Branco/Epitaciolândia, tirei algumas fotos com o celular e acompanhei a chegada dos mesmos. Parei eles e fui conversar, estavam todos sujos e muito cansados, só um falava o espanhol e como estavam na rua, quase não falaram comigo. Mas me disseram que já estavam com três dias na estrada, de primeira não acreditei  na história dos mesmos e comecei a indagar, achando que os mesmos estavam entrando no Brasil e por outros ramais”, comentou.Segundo Portela, disse que obteve a informações que os mesmos tinham saído de Epitaciolândia fazia três dias em uma turma de 14, a pé rumo ao abrigo em Rio Branco, mas que hoje de madrugada, contam eles, que uma viatura com três policiais de coletes e com arma grande nas mãos, fizeram eles voltarem a pé e procurarem a Polícia Federal na  fronteira, eles acham que já tinham andado uns 70 km e tiveram que retornar, por isso que eles estavam chegando. Muitos cansados e famintos, sem tomar banho, reclamando da atitude dos policiais, pois eles queriam chegar no abrigo localizado em Rio Branco.

Foi registrado os pés e os sapatos já comidos pelo asfalto e desesperados. Os taxistas oferecendo levá-los de forma clandestina por $ 100 dólares cada, mas que eles não tinham dinheiro.

Indagando os mesmos, o que entende Espanhol, falou que no Senegal tem um agenciador que está mandando muitos senegaleses para o Brasil e que cobram em média $4000 dólares por cada, e que nas cidades já tem um carro, no caso deles, um caminhão com cobertura que os transportam até outro ponto. Lá, já tem outro carro esperando para irem via Peru/Lima e quando chegaram na fronteira com Assis Brasil, já entraram em táxi boliviano até Epitaciolândia.

Foi perguntado se eles não foram roubados no percurso, eles dizem que não, também disseram que negam o contato com coiotes, pois passavam de um carro para outro que já estava esperando e que só pagaram os 4mil da viagem e mais nada.

O que fala espanhol disse que está vindo muitos senegaleses por esse esquema e foi mostrado um diário de viagem que ele estava fazendo, mas permitiu tirar foto das folhas. Muitos tem contato com parentes e amigos em São Paulo e levam uma espécie de rota para poderem chegar.

[Oaltoacre]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.